O pai faz uma diferença ímpar na vida da criança

Um roteiro de férias!
10 de julho de 2017
Mimar não é a melhor forma de amar
22 de setembro de 2017
Mostrar Todos

O pai faz uma diferença ímpar na vida da criança

Especialista dá 4 dicas fundamentais para uma boa participação dos pais

A paternidade, por muitas décadas, representou o provedor, aquele que traz o sustento e a segurança para a casa. Entretanto, este papel tem mudado, considerando que as mulheres, mães, também estão no mercado de trabalho e têm realizado esta função de provedora. Mas, o papel do pai não se resume a isso.

De acordo com Valéria Ribeiro, coach familiar e especialista em psicologia e desenvolvimento humano, “hoje há estudos que comprovam que a participação do pai, desde o nascimento dos filhos, é determinante para a formação de sua identidade. O distanciamento ou rejeição paterna pode causar profundos traumas na criança, que poderá leva-la, na fase adulta, a ser uma pessoa insegura e hostil”, explica.

Crianças que o pai não impõe limites, vão procura-lo em outras situações como o álcool, drogas ou prostituição. “A figura paterna auxilia na construção da personalidade e identidade da criança. A presença do pai não deve ser delegada ou compensada com bens materiais como brinquedos, roupas, viagens, entre outros”, pontua Valéria.

Devido à modificação da estrutura familiar moderna, a péssima relação entre pai e mãe separados atingem a criança. “No contexto da separação dos pais, a criança acaba por perder a representação masculina, além de que ela pode passar a sentir culpada pela separação, o que gera muitos traumas emocionais. Outra questão é que, por muitas vezes, ela fica no meio de uma disputa, marido e esposa, papel este diferente de mãe e pai, onde cada um quer provar que é melhor, mais “bonzinho” que o outro, falam mal e desqualificam o outro para a criança, isso gera muita insegurança e instabilidade emocional para o filho, pois ele ama a ambos”, ressalta.

Outro fator a ser considerado é que, este pai, vai ter um novo relacionamento, que também, poderá levar ao distanciamento do filho. “Neste caso procure manter o contato, busque estabelecer uma relação amigável da criança com a nova família, faça o filho se sentir que é importante na vida do pai e, saiba e sinta, que sempre o espaço dele seja na casa ou no coração serão preservados independente de qualquer coisa”, conclui.

Valéria ainda destaca 4 dicas aos pais:

  • Desde o nascimento do filho compartilhe as tarefas com a mãe: dê banho, troque fraldas, coloque para dormir.
  • Procure conhecer um pouco mais sobre crianças (lendo livros, indo a consultas com o pediatra, reuniões nas escolas, entre outros).
  • Participe da rotina da criança, das atividades e brincadeiras.
  • Se comunique com seu filho: faça perguntas, fale sobre seus sentimentos e sempre preste atenção no que conta.

“Estabelecer uma convivência entre pais e filhos não é fácil, exige doação de tempo e doação de si, mas é garantido que vale a pena, pois o resultado será um filho mais seguro, estável e feliz”, finaliza a coach.

Valéria Santos Ribeiro
Valéria Santos Ribeiro

Coaching familiar, com especialização em psicologia, cursando Terapia Familiar Sistêmica. Doutora em Política Científica e Tecnológica, Mestre em Administração, Practitioner em PNL e possui formação com o renomado escritor e conferencista internacional Anthony Robbins. Participou em diversos cursos de desenvolvimento pessoal e fez especialização em Gestão de RH. Trabalhou por 20 anos na área de treinamento e desenvolvimento. Casada há 17 anos, é mãe de um casal de filhos, um menino de 16 anos e uma menina de 13 anos.

Comentários

Obrigado pelo comentário.