Desafio de ser Mãe

Dia Internacional da Síndrome de Down
21 de Março de 2017
Um roteiro de férias!
10 de julho de 2017
Mostrar Todos

Desafio de ser Mãe

Na atualidade muitas mulheres têm adiado a maternidade, devido aos desafios que a sociedade e ela mesmo se impõe.

Há uma exigência, por vezes, sobre humana sobre as mulheres, a exigência de perfeição, os resultados são maiores que os solicitados aos homens. Elas ainda enfrentam questões como salários menores para mesmos cargos que os homens, jornadas duplas ou triplas, ter que ser mãe exemplar, dar conta da casa, estar linda e disposta o tempo todo, entre outras.

Realmente, a mulher conseguiu conquistar muitos espaços, mas tem pago um preço por tudo isso. O maior preço que tem pago é na maternidade. Apesar de atrasarem a maternidade em alguns anos, normalmente, após os 30 anos ou próximo dos 40 anos, para que possam estudar, se estabelecer em uma carreira para depois decidirem engravidar, há a dúvida se será possível equilibrar vida profissional e maternidade.

Entretanto, a mulher tem um relógio biológico com data para deixar de funcionar quando se fala de ter filhos e isso gera uma pressão muito grande, pois já se sabe que após os 40 anos, ainda é possível ter filhos, mas há risco tanto para a mãe quanto para o filho.

A grande maioria das mulheres decidem ter filhos, nem que seja pelo menos um, atendendo assim a algo que dizem que é biológico na mulher, gerar e dar a luz a um ser humano.

A partir daí começa o desafio. E o primeiro desafio será equilibrar inúmeros pratos (papéis) da sua vida (mulher, amiga, esposa, profissional, dona de casa, filha, mãe, provedora, etc). Realmente, tem que ser “Mulher Maravilha” para dar conta de tudo. E dá, mas tem um preço.

Hoje tem aumentado o número de mulheres que sofrem de infarto, depressão, ansiedade, síndrome do pânico, entre tantas doenças decorrentes do elevado índice de estresse e da vida corrida que se leva.

Para que tudo isso melhore as mulheres-mães devem diminuir a cobrança que fazem a si própria de uma perfeição irreal e inatingível, da culpa de querer exercer todos seus papeis no nível de excelência.

Convido as mães a estabelecerem algumas atitudes que com certeza poderão ajudá-las a se sentirem melhor.

  1. Estabeleça um tempo no seu dia para realmente estar com seu filho (que seja 15 minutos), mesmo que isso signifique uma cama desarrumada ou uma louça na pia. Este tempo será precioso para seu filho sentir que o você o ama e gosta de estar com ele. Neste tempo brinque, pule, corra, converse, jogue com ele. Sorriam juntos e se divirtam.
  2. Tenho um tempo para você. Se conseguir uma vez por semana, ótimo, senão verifique como isso pode entrar na sua agenda, nem que for uma vez por mês. Vá ao shopping, faça as unhas, vá caminhar ou simplesmente fique sem fazer nada.
  3. Mantenha contato com suas amigas. Procure marcar encontros com outras mães e façam um café/chá da tarde ou outra atividade que vocês possam partilhar os desafios que têm encontrado no dia-a-dia na criação dos filhos. Isso funciona como uma terapia em grupo e pode ser uma excelente válvula de escape.
  4. Dentro do possível, procure fazer um exercício físico. Houve um tempo que o exercício que conseguia fazer era subir e descer a escada da minha cada, fazia isso por 15 minutos, 3 vezes por semana. Me ajudou muito.
  5. Compartilhe as responsabilidades da educação do filho com o pai. Ele fará do jeito dele e está tudo certo. O importante é inseri-lo no processo de criação como um agente ativo, mesmo que isso signifique ele fazer as coisas diferentes de você.
  6. Procure aprender alguma ferramenta de gerenciamento de tempo. Saiba discernir e estabelecer o que é importante do que é urgente, isso diminui a carga que o tempo nos impõe. Se você resolve mais coisas urgentes do que importante algo pode não estar indo bem.
  7. E uma dica de ouro: respire, respire e respire. Nesta vida agitada temos nos esquecido de respirar e quando fazemos ficamos presentes e oxigenamos nosso cérebro, e acabamos fazendo as atividades com mais humor e consciência.

Deixo aqui meu sincero desejo de um FELIZ DIA DA MÃES.

Valéria Santos Ribeiro
Valéria Santos Ribeiro

Coaching familiar, com especialização em psicologia, cursando Terapia Familiar Sistêmica. Doutora em Política Científica e Tecnológica, Mestre em Administração, Practitioner em PNL e possui formação com o renomado escritor e conferencista internacional Anthony Robbins. Participou em diversos cursos de desenvolvimento pessoal e fez especialização em Gestão de RH. Trabalhou por 20 anos na área de treinamento e desenvolvimento. Casada há 17 anos, é mãe de um casal de filhos, um menino de 16 anos e uma menina de 13 anos.

Comentários

Obrigado pelo comentário.